A questão das metas e dos objectivos

As metas globais de uma organização são um dos principais pilares de orientação estratégica de uma organização. Para serem efectivas, devem cumprir quatro características:

  • Cobrir tanto a área financeira como a não financeira;
  • Facilitar orientação para a hierarquia da escolha em alternativa entre eles;
  • Serem atingíveis com esforço e empenho;
  • Serem globais e não funcionais, isto é, cortarem a organização na hori­zontal.

Na sua obra “The practice of management”, Peter Drucker define as oito dimensões das metas estratégicas.
as oito dimensões das metas estratégicas
Estas metas globais têm o seguinte significado:

RESPONSABILIDADE SOCIAL
A empresa pode e deve esclarecer o nível e a forma de responsabilidade social que está disposta a atingir face aos seus clientes e à sociedade.

POSIÇÃO DE MERCADO
É da maior importância a explicitação da quota de mercado desejada e/ou dos posicionamentos face a nichos de mercado.

PERFORMANCE E ATITUDE DA FORÇA DE TRABALHO
Também importante é a definição dos níveis de produtividade do trabalho desejados assim como a forma que deve consubstanciar uma atitude posi­tiva.

NÍVEL DE PRODUTIVIDADE GERAL
É essencial que a empresa especifique qual o nível geral de eficiência pro­dutiva que pretende atingir.

NÍVEL DE RENDIBILIDADE
O nível de resultados e de outros indicadores financeiros é uma síntese imprescindível da actividade de qualquer empresa, que devem integrar as metas globais.

PERFORMANCE E DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO
Importa, ainda, que a empresa estabeleça metas quanto a taxas e níveis de produtividade e crescimento da empresa em geral.

GRAU DE INOVAÇÃO
Um dos pontos estratégicos decisivos da actividade das empresas é a sua inovação. A determinação de metas quanto ao desenvolvimento de novos métodos e de novos produtos é, por isso, muito importante.

RECURSOS FÍSICOS E FINANCEIROS
Por último, torna-se fundamental a determinação de metas quanto a Capital e Equipamentos necessários para atingir as outras metas globais.

As metas globais para poderem ser operacionalizadas necessitam ser convertidas em objectivos.

Os objectivos são definições operacionais das metas globais de forma a que per­mitam a acção prática.

Os objectivos poderão ser especificados com maior ou menor detalhe, no entanto, devem sempre obedecer aos princípios seguintes:

  • Serem mensuráveis. No caso de objectivos que têm difícil quantificação, deverão ser utilizados aferidores. Exemplo: Como forma de medir a qua­lidade podem ser usados indicadores como número de reclamações, taxas de defeituosos, etc.
  • Incorporarem a dimensão tempo. Cada conjunto de objectivos deve incluir um prazo de consecução.
  • Reduzirem o conflito potencial. Objectivos claros reduzem os desentendi­mentos e a conflitualidade entre membros de diferentes departamentos na organização.

Uma melhor definição dos objectivos de uma estratégia apenas pode ser realizada após o desenho das alternativas. Assim, embora sendo um factor importante que integra os pilares centrais da arquitectura estratégica, a sua definição deverá ser feita durante o processo de escolha estratégica.

por Francisco Lopes dos Santos

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>